Pular para o conteúdo principal

Mensalão e embargos infringentes: o direito ao melhor direito 23/5/2013 14:52 Por Luiz Flávio Gomes - de Brasília










VOCÊ ELEITOR BRASILEIRO SE LEMBRA DISTO OU JÁ ESQUECEU?





O caso mensalão está na fase recursal. Todos os réus condenados apresentaram embargos de declaração. É possível que alguns consigam algum tipo de benefício com esses embargos (redução de pena, por exemplo). Por quê? Porque os advogados alegam que houve aplicação de lei nova mais desfavorável (e isso é proibido no direito penal).
Mas a polêmica maior reside, evidentemente, nos embargos infringentes (previstos no art. 333 do Regimento Interno do STF), porque eles viabilizam a rediscussão da causa, consoante os limites dos votos vencidos (reanálise fática, probatória e jurídica). E serão julgados com a presença de novos ministros (um já assumiu e outro está na iminência de ser escolhido).
De acordo com a minha opinião não há dúvida que tais embargos (infringentes) são cabíveis naquelas situações (são catorze, no total) em que os réus foram condenados, mas contaram com 4 votos favoráveis (Delúbio, José Dirceu, João Paulo etc. estão nessa situação).

Dois são os fundamentos (consoante meu ponto de vista): (a) com os embargos infringentes cumpre-se o duplo grau de jurisdição garantido tanto pela Convenção Americana dos Direitos Humanos (art. 8º, 2, “h”) bem como pela jurisprudência da Corte Interamericana (Caso Barreto Leiva); (b) existe séria controvérsia sobre se tais embargos foram ou não revogados pela Lei 8.038/90. Sempre que não exista consenso sobre a revogação ou não de um direito, cabe interpretar o ordenamento jurídico de forma mais favorável ao réu, que tem, nessa circunstância, direito ao melhor direito.
A esses dois fundamentos ainda cabe agregar um terceiro: vedação de retrocesso. Se de 1988 (data da Constituição) até 1990 (data da lei 8.038) existiu, sem questionamento, o recurso dos embargos infringentes (art. 333 do RISTF), cabe concluir que a nova lei, ainda que fosse explícita sobre essa revogação (o que não aconteceu), não poderia ter valor, porque implicaria retrocesso nos direitos fundamentais do condenado.
Pelos três fundamentos expostos, minha opinião é no sentido de que o Min. Joaquim Barbosa (que já rejeitou os embargos infringentes de Delúbio), mais uma vez, não está na companhia do melhor direito. O tema vai passar pelo Plenário, onde, certamente, Joaquim Barbosa pode sair derrotado, devendo preponderar o pensamento do Min. Celso de Mello, que já se manifestou no sentido do cabimento dos embargos infringentes, invocando parte dos argumentos acima recordados.
Joaquim Barbosa deve ser derrotado, mais uma vez, porque não é por meio da soberba e do autoritarismo que se constrói o direito (ou mesmo a nossa própria vida). Quem busca guerra o tempo todo, não pode colher as flores brancas da paz. Em muitos momentos o destempero emocional do Ministro Joaquim Barbosa evidencia que nós, seres humanos, nem sequer chegamos ainda ao grande meio-dia de Nietzsche, que explica que a evolução da humanidade está no meio do caminho entre o amanhecer e o anoitecer. Ou seja: o ser humano está entre o animal primata e o “além-do-homem” (o supra-humano), mas, em determinados momentos, nos apresenta a sensação de que está mais para o amanhecer que para o anoitecer.
Luiz Flávio Gomes é jurista e diretor-presidente do Instituto Avante Brasil (www. institutoavantebrasil.com.br).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SIMBAD E OS SETE MARES 1989 DUBLADO COMPLETO

Sinopse: Sinbad e seus companheiros de viagem voltavam felizes para casa quando se deparam com a cidade transformada em miséria e tristeza. Era tudo obra de um feiticeiro. Então Sinbad terá que derrotar sinistros vilões com sua curiosa tripulação em busca de gemas perdidas de Basra.




Elenco:
Lou Ferrigno ... Sinbad
John Steiner ... Jaffar
Roland Wybenga ... Alì
Ennio Girolami ... Viking
Hal Yamanouchi ... Samurai
Yehuda Efroni ... Ahmed
Alessandra Martines ... Alina
Teagan Clive ... Soukra
Leo Gullotta ... Nadir
Categoria Pessoas e blogs Licença Licença padrão do YouTube



Van Damme Prisão Infernal (In Hell) Filme Completo Dublado

Kyle Le Blanc (Jean-Claude Van Damme) é preso pelo assassinato do homem que matou a sua mulher.
Ele tem de sobreviver numa prisão de máxima segurança onde todos os prisioneiros têm de lutar até à morte numa luta brutal chamada "Shu" para satisfazer a mórbida crueldade do director dessa mesma prisão.Kyle luta com os seus opressores para evitar essa luta desigual e bárbara mas é rapidamente enviado para o "Shu" onde vai testar todos os seus conhecimentos para ser ele o grande vencedor. Agora ele vai lutar pela sua sobrevivência...
Prisão Infernal (2003)
Título Original : In Hell
Áudio : Português
Tempo de Duração : 1h37 minutos
País de Origem : EUA
Gênero : Ação

Categoria Animais Licença Licença padrão do YouTube




Explicando os Cavaleiros templários e a maçonaria

Bolo de Nozes

INGREDIENTES3 ovos (claras e gemas separadas)2 xícaras de chá de açúcar1/2 xícara de chá de margarina2 xícaras de chá de farinha de trigo1 colher de sopa de fermento em pó1 xícara de chá de nozes picadas200g de iogurte naturalCOMO FAZER BOLO DE NOZES
MODO DE PREPAROBata as claras em neve e reserve.Bata as gemas, o açúcar e a margarina.Acrescente a farinha de trigo, o fermento e as nozes.Acrescente o iogurte e mexa.Misture as claras batidas em neve.Despeje a massa em uma forma de buraco central untada e enfarinhada.Leve ao forno médio preaquecido por cerca 35 minutos.Retire do forno, espere esfriar e desenforme.Dica: Se desejar, cubra com glacê e decore com metades de nozes. Fonte: Tudo Gostoso

ANTIGO TEMPLO MISTERIOSO ENCONTRADO NA TURQUIA!

A antiga região da Eurásia e da África que foi descoberta até o século 15, é conhecida como Continente Antigo ou Velho Mundo. Recebe esse nome pelo fato de que, neste lugar, as mais antigas civilizações de que se tem conhecimento surgiram. Segundo cientistas, foi em áreas do norte da África e em partes da Ásia que se desenvolveram, por volta de 7 a 3 mil anos atrás. Sociedades que mais tarde ficaram conhecidas como a fenícia, suméria, assíria e a egípcia, por exemplo. Um fato que comprova isso é que durante a Idade Média, as pessoas acreditavam que apenas esses continentes formavam todo o planeta: Ásia, Europa e África...