Pular para o conteúdo principal

Israel possui “apenas” 80 ogivas nucleares 5/6/2013 14:15 Por Redação, com Vermelho - de Israel







Israel afirma estar sob a mira constante dos países da região, inclusive do Irã, que acusa de produzir armas nucleares. Sob esse pretexto, ameaça o país persa com um ataque militar, o que não fez ainda por receio de faltar o apoio internacional necessário. Neste mesmo cenário, o Instituto Internacional de Investigação para a Paz de Estocolmo (Sipri, pela sigla em inglês), informou estimar que Israel possui 80 ogivas nucleares.
Dessas ogivas, segundo o Sipri, 50 são para mísseis balísticos de alcance médio e 30 para bombas transportadas por avião, o que reflete as ambições agressivas deste país instalado à força no coração do Oriente Médio.
O instituto sueco também afirma que Israel pode ter produzido armas nucleares não estratégicas, como projéteis de artilharia e munições de demolição atômica. As agências e órgãos internacionais dedicados ao assunto, como a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), ainda não se dispuseram a averiguar.
O governo israelense, que seria o único a possuir armas nucelares na região, nunca confirmou nem desmentiu a produção de ogivas nucleares. Não é a primeira vez, entretanto, que a notícia sobre a afirmativa é veiculada.
Em 1986, um ex-técnico nuclear israelense, Mordecai Vanunu, revelou ao diário britânico Sunday Times a informação secreta sobre a planta nuclear do seu país. Mais tarde, Vanunu foi condenado a 18 anos de prisão por traição, e suas acusações não foram investigadas pelos responsáveis internacionais.
Vanunu cumpriu os 18 anos da sentença, inclusive 11 em confinamento solitário, e quando liberto sofria de várias restrições ao movimento e ao discurso, o que acabou por levá-lo à prisão diversas vezes, ao dar entrevistas a jornalistas. Por exemplo, em uma entrevista concedida à imprensa internacional logo depois de ser libertado, em 2004, ele afirmou ter sido tratado de forma “bárbara e cruel”, o que atribui também ao fato de ser cristão, e não judeu.
Apesar da forte pressão internacional, o regime israelense negou-se a assinar o Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP), que foi assinado pelo Irã, e não aceita que observadores internacionais inspecionem as suas instalações, outra ação a que o Irã responde positivamente há mais de 10 anos, recebendo visitas frequentes da AIEA e outros observadores.
Israel alega que essas medidas seriam contrárias aos interesses de segurança nacional, uma admissão clara da sua política agressiva e belicosa para a região. A segurança e a estabilidade tanto externas quanto internas, para o caso de um país que administra um conflito violento e reprime de forma sistemática todo um povo, o palestino, além da política agressiva com praticamente todos os seus vizinhos, não são traduzidos para “ações” pelos órgãos responsáveis.
Armas nucleares e reação internacional

Em outros casos, a atuação agressiva de um país, seja retórica ou praticamente, serviu para intervenções militares ainda antes de inspeções de rotina como as efetuadas pela AIEA. Ainda, exemplos ilegítimos e baseados em pretextos instrumentalizados não faltam, mas basta citar o da invasão ao Iraque e os discursos inflamados contra o próprio Irã, que parecem refletir a iminência de uma ingerência agressiva, em alguns períodos.

Sobre as armas nucleares no mundo, o informe publicado nesta segunda afirma: “no início de 2013, oito Estados (os EUA, a Rússia, o Reino Unido, a França, a China, a Índia, o Paquistão e Israel) possuíam aproximadamente 4.400 armas nucleares operacionais. Quase 2.000 delas são mantidas em um estado de alto alerta operacional. Se todas as ogivas nucleares forem contadas, esses Estados, conjuntamente, possuem o total de aproximadamente 17.265 armas nucleares, comparadas com 19.000 no começo de 2012”.
O instituto atribui a ligeira redução no número de armas nucleares ao Tratado sobre Medidas para o Avanço na Redução e Limitação de Armas Estratégicas Ofensivas (novo Start, na sigla em inglês), entre a Rússia e os EUA.
O Sipri, um instituto renomado internacionalmente e fonte segura para cientistas políticos e outros analistas da política internacional, aborda questões relativas à segurança e aos conflitos, aos gastos militares, à indústria armamentista e à não-proliferação nuclear, através de uma base de dados complexa e abrangente mas de fácil acesso. A página pode ser acessada, em espanhol e inglês.


 correiodobrasil

Postagens mais visitadas deste blog

SIMBAD E OS SETE MARES 1989 DUBLADO COMPLETO

Sinopse: Sinbad e seus companheiros de viagem voltavam felizes para casa quando se deparam com a cidade transformada em miséria e tristeza. Era tudo obra de um feiticeiro. Então Sinbad terá que derrotar sinistros vilões com sua curiosa tripulação em busca de gemas perdidas de Basra.




Elenco:
Lou Ferrigno ... Sinbad
John Steiner ... Jaffar
Roland Wybenga ... Alì
Ennio Girolami ... Viking
Hal Yamanouchi ... Samurai
Yehuda Efroni ... Ahmed
Alessandra Martines ... Alina
Teagan Clive ... Soukra
Leo Gullotta ... Nadir
Categoria Pessoas e blogs Licença Licença padrão do YouTube



Explicando os Cavaleiros templários e a maçonaria

Doença de Chagas - POR DR. DRAUZIO

Doença causada pelo protozoário parasita Trypanosoma cruzi que é transmitido pelas fezes de um inseto (triatoma) conhecido como barbeiro. O nome do parasita foi dado por seu descobridor, o cientista Carlos Chagas, em homenagem ao também cientista Oswaldo Cruz. Segundo os dados levantados pela Sucen, esse inseto de hábitos noturnos vive nas frestas das casas de pau-a-pique, ninhos de pássaros, tocas de animais, casca de troncos de árvores e embaixo de pedras.
Transmissão
A doença de Chagas não é transmitida ao ser humano diretamente pela picada do inseto, que se infecta com o parasita quando suga o sangue de um animal contaminado (gambás ou pequenos roedores). A transmissão ocorre quando a pessoa coça o local da picada e as fezes eliminadas pelo barbeiro penetram pelo orifício que ali deixou.
A transmissão pode também ocorrer por transfusão de sangue contaminado e durante a gravidez, da mãe para filho. No Brasil, foram registrados casos da infecção transmitida por via oral na…

Pastel de tapioca com recheio de camarão da chef Kátia Barbosa ASSUNTOS: Receitas com camarão Este conteúdo faz parte de uma seleção feita pelo GNT.

anote a receita do aconchego carioca Foto: Divulgação / Berg Silva Chama-se almofadinha a criação da chef Kátia Barbosa, do Aconchego Carioca, um pastel de tapioca com recheio de camarão.O petisco para servir numa recepção em casa ou para os amigos, pode ter outros recheios, mas sempre secos. O rendimento é de 70 pastéis pequenos. Tome nota:

Ingredientes:
500g de tapioca
500g de queijo coalho de boa qualidade ralado
1l de leite quente
10g de sal refinado
Pimenta-do-reino (a gosto)
Cebola (a gosto) para refogar os camarões
Tomate (a gosto) para refogar os camarões
Alho (a gosto) para refogar os camarões
1kg de camarão

Modo de preparo:
Para fazer a massa do pastel de tapioca, misture num recipiente a tapioca, o queijo coalho, o sal e a pimenta. Adicione o leite quente e misture sem parar até dar ponto de liga na massa. Deixe a massa descansar por duas 2 horas. Para abrir a massa, use luva de borracha ou rolo de plástico, pois ela gruda na mão e não de madeira.

Empanada de carne da chef Rachel Khoo

Pa…

Voce é muito importante para mim