Pular para o conteúdo principal

Militar norte-americano que matou 16 civis afegãos fala ao juiz antes da sentença 9/6/2013 15:15 Por Redação, com agências internacionais - de Washington






O sargento Bales disse para um soldado o que havia feito, mas ele não acreditou e voltou a dormir
O sargento Bales disse para um soldado o que havia feito,
mas ele não acreditou e voltou a dormir



Em um depoimento frio e quase automático, o sargento Robert Bales reconheceu uma das piores atrocidades da guerra no Afeganistão, onde matou 16 civis afegãos e queimando muitos dos seus corpos. Ele teve pouco a oferecer como explicação para as mortes.
Quando perguntado por um juiz militar por que ele tinha realizado o ato de fúria, no ano passado, aos 39 anos de idade, Bales foi quase singelo em sua resposta:
– Eu tenho feito essa pergunta um milhão de vezes, e não é uma boa razão no mundo para as coisas horríveis que eu fiz.
A afirmação ocorreu pouco antes de o juiz, o coronel Jeffery Nance, aceitar a confissão de culpa de Bales, acusado de assassinato, tentativa de assassinato e assalto agravado de mortes, bem como o uso ilegal de esteróides e álcool em um acampamento militar dos EUA na província de Kandahar. Em troca, ele evitou a pena de morte, mas cumprirá prisão perpétua.
Bales, nativo de Ohio e pai de dois filhos, tinha servido em combate por quatro vezes antes dos assassinatos. Seus advogados disseram que ele havia sofrido uma lesão cerebral, e foram incisivos ao afirmar que tratava-se de uma vítimas de tensões pós-traumáticas relacionadas com períodos prolongados em zonas de combate. Bales se alistou no serviço militar em novembro de 2001, após os ataques de 11 de setembro, e ele realistou depois de seis anos.
Atarracado e careca, Bales usava seu uniforme de serviço do exército na audiência, e disse ao tribunal que, antes das mortes, havia consumido esteróides (estanozolol) durante vários meses para chegar “mais eficientes e mais magro” e levou quatro garrafas para o acampamento, o que lhe permitiu usar a droga três vezes por semana. Ele disse que também consumiu álcool várias vezes no acampamento militar com os operadores das Forças Especiais.
A promotoria observou que Bales disse em seu depoimento assinado que ele tomou a droga para “ficar enorme e levitar”. Em 11 de março de 2012, Bales deixou o acampamento de Belambay antes do amanhecer e foi até a aldeia vizinha de Alkozai. Uma vez lá, armado com uma pistola 9 milímetros e um rifle M4, ele brigaram brevemente com “uma mulher idosa antes de matá-la”, disse. Em seguida, ele matou dois homens e uma outra mulher.
Bales então voltou para o Belambay Camp. No tribunal, ele descreveu o que havia acontecido, mas no acampamento, é relatado que ele acordou um outro soldado e disse a ele o que fez. O soldado não acreditou e voltou a dormir. Bales, em seguida, foi para uma segunda aldeia, Najiban.
– Eu esperava alguém para estar lá – disse ele quando perguntado o que ele estava procurando. “Eu pretendia matá-los.”
Em Najiban, Bales matou a tiros mais 12 pessoas, alguns dos quais dormiam em cobertores e tapetes. Ele pegou uma lâmpada de querosene que encontrou e derramou em mais 10 de suas vítimas. Ele disse ao tribunal que ele não se lembrava de riscar o fósforo, mas a partir de reportagens investigativas ficou constatado que ele efetivamente incendiou suas vítimas. Ele contou que se lembrava do fogo.
Os advogados de Bales concluiram, após a seu cliente ser examinado por psiquiatras, que ele não seria capaz de montar uma defesa de insanidade, ainda que sublinhassem que o seu estado de espírito foi fundamental para o que aconteceu. Tais fatores serão considerados em uma audiência de sentença, quando um painel militar, o equivalente a um júri, irá determinar se a sentença irá incluir, ou não, a possibilidade de liberdade condicional.



Os comentários às matérias e artigos aqui publicados não são de responsabilidade do Correio do Brasil nem refletem a opinião do jornal.


Postagens mais visitadas deste blog

SIMBAD E OS SETE MARES 1989 DUBLADO COMPLETO

Sinopse: Sinbad e seus companheiros de viagem voltavam felizes para casa quando se deparam com a cidade transformada em miséria e tristeza. Era tudo obra de um feiticeiro. Então Sinbad terá que derrotar sinistros vilões com sua curiosa tripulação em busca de gemas perdidas de Basra.




Elenco:
Lou Ferrigno ... Sinbad
John Steiner ... Jaffar
Roland Wybenga ... Alì
Ennio Girolami ... Viking
Hal Yamanouchi ... Samurai
Yehuda Efroni ... Ahmed
Alessandra Martines ... Alina
Teagan Clive ... Soukra
Leo Gullotta ... Nadir
Categoria Pessoas e blogs Licença Licença padrão do YouTube



Explicando os Cavaleiros templários e a maçonaria

Doença de Chagas - POR DR. DRAUZIO

Doença causada pelo protozoário parasita Trypanosoma cruzi que é transmitido pelas fezes de um inseto (triatoma) conhecido como barbeiro. O nome do parasita foi dado por seu descobridor, o cientista Carlos Chagas, em homenagem ao também cientista Oswaldo Cruz. Segundo os dados levantados pela Sucen, esse inseto de hábitos noturnos vive nas frestas das casas de pau-a-pique, ninhos de pássaros, tocas de animais, casca de troncos de árvores e embaixo de pedras.
Transmissão
A doença de Chagas não é transmitida ao ser humano diretamente pela picada do inseto, que se infecta com o parasita quando suga o sangue de um animal contaminado (gambás ou pequenos roedores). A transmissão ocorre quando a pessoa coça o local da picada e as fezes eliminadas pelo barbeiro penetram pelo orifício que ali deixou.
A transmissão pode também ocorrer por transfusão de sangue contaminado e durante a gravidez, da mãe para filho. No Brasil, foram registrados casos da infecção transmitida por via oral na…

Voce é muito importante para mim

Pastel de tapioca com recheio de camarão da chef Kátia Barbosa ASSUNTOS: Receitas com camarão Este conteúdo faz parte de uma seleção feita pelo GNT.

anote a receita do aconchego carioca Foto: Divulgação / Berg Silva Chama-se almofadinha a criação da chef Kátia Barbosa, do Aconchego Carioca, um pastel de tapioca com recheio de camarão.O petisco para servir numa recepção em casa ou para os amigos, pode ter outros recheios, mas sempre secos. O rendimento é de 70 pastéis pequenos. Tome nota:

Ingredientes:
500g de tapioca
500g de queijo coalho de boa qualidade ralado
1l de leite quente
10g de sal refinado
Pimenta-do-reino (a gosto)
Cebola (a gosto) para refogar os camarões
Tomate (a gosto) para refogar os camarões
Alho (a gosto) para refogar os camarões
1kg de camarão

Modo de preparo:
Para fazer a massa do pastel de tapioca, misture num recipiente a tapioca, o queijo coalho, o sal e a pimenta. Adicione o leite quente e misture sem parar até dar ponto de liga na massa. Deixe a massa descansar por duas 2 horas. Para abrir a massa, use luva de borracha ou rolo de plástico, pois ela gruda na mão e não de madeira.

Empanada de carne da chef Rachel Khoo

Pa…