Pular para o conteúdo principal

Prisioneiros palestinos exigem cumprimento de direitos humanos 5/6/2013 13:54 Por Redação, com Vermelho - de Damasco



























O advogado da Associação Addameer de Apoio aos Prisioneiros e de Direitos Humanos, Fares Ziad, visitou no domingo, na clínica da prisão de Ramle, dois prisioneiros palestinos de nacionalidade jordaniana, Abdullah Barghouti e Mohammad Rimawi, ambos em greve de fome. Além deles, outros três prisioneiros jordanianos estão em greve: Hamzah Othman, Muteb Mar’e e Alaa Hammad. O ministro dos Assuntos dos Prisioneiros Issa Qaraqe deu uma conferência de imprensa sobre o assunto.
O prisioneiro Abdullah Barghouti, de 41 anos, residente da aldeia de Beit Rima, Ramallah (centro administrativo da Cisjordânia), informou ao advogado da Addameer que iniciou sua greve de fome em 5 de fevereiro, quando estava na prisão Gilboa.
Após o anúncio da greve, o prisioneiro foi transferido para o departamento de prisioneiros civis, onde ficou por 14 dias. No dia 15 de maio, foi transferido para a prisão Jalame, para ser interrogado a respeito da sua greve de fome. Neste período, deixou também de ingerir qualquer tipo de líquido. No dia 19 de maio foi levado para o hospital da prisão Ramle.
O prisioneiro Barghouti confirmou ao advogado da Addameer que os cinco prisioneiros jordanianos anunciaram a greve em 5 de fevereiro, nas prisões de Ramon, no Negev, e Gilboa. Todos dispostos a seguir uma longa batalha, até que suas reivindicações sejam atendidas.
Entre as reivindicações, os prisioneiros pedem a transferência das prisões israelenses para cumprir o restante da pena em prisões jordanianas, conforme o acordo de Wadi Araba, assinado entre a Jordânia e Israel (tendo como exemplo o procedimento com o prisioneiro Sultan Ajlouni, condenado em Israel e transferido para as prisão jordaniana para terminar a sentença); o esclarecimento do destino dos 20 prisioneiros jordanianos desaparecidos; e a repatriação dos corpos dos mártires, mantidos no que se chama de “cemitério dos números”.
Vale ressaltar que o prisioneiro Abdullah Barghouti tem a maior condenação militar na história da ocupação israelense (67 sentenças de prisão perpétua), e está preso desde 5 de março de 2003.
Sobre o prisioneiro Mohamed Remawi, de 47 anos, da aldeia de Beit Rima, próximo a Ramallah, o advogado afirmou que o preso continua em greve de fome desde 5 de fevereiro, enquanto estava na prisão Ramon. O prisioneiro foi transferido para o setor hospitalar de Ramla em 22 de maio e até hoje só bebe água.
Remawi explicou que, antes de iniciar a greve de fome, sofria com uma grave inflamação nos pulmões e intestinos e fora infectado com a “febre do Mediterrâneo”. Hoje, com a falta de alimentação, sente forte cansaço e preocupa-se pelo fato de a administração prisional não lhe oferecer a medicação para os problemas de saúde. Segundo Remawi, a administração chegou a propor dar remédios em troca do fim da greve de fome. A proposta foi rejeitada categoricamente pelo prisioneiro, que está detido desde 19 de outubro de 2001, condenado a três penas de prisão perpétua.
Segundo informações dadas durante uma conferência de imprensa realizada nesta terça-feira (4), na cidade de Ramallah, pelo ministro dos Prisioneiros Issa Qaraqe, um membro do Comitê Central do Movimento Fatah, Mahmoud Alou, e Qaddoura Fares, diretora do Clube dos Prisioneiros, este foi o primeiro dia da Batalha de Emissão Nacional, que terá início com cerca de 700 prisioneiros dos serviços de segurança da Autoridade Palestina, com protestos contra o uso dos uniformes oficiais do serviço prisional (vestimenta marrom).
Eles recusam-se também a ficar em pé na hora da contagem e, como uma das principais exigências, pedem o reconhecimento de seus status como prisioneiros de guerra e, consequentemente, a transferência para prisões do interior do território ocupado da Palestina de 1967, a Cisjordânia.
A Addameer confirma seu apoio às reivindicações dos prisioneiros e salienta a necessidade de tratamento aos detidos baseado nos termos das Convenções do Direito Internacional Humanitário, as Convenções de Genebra (a terceira e a quarta, em particular, uma de 1949, sobre o tratamento aos prisioneiros de guerra, e a outra do mesmo ano, sobre a proteção de civis em tempo de guerra).


Correio do brasil.

Postagens mais visitadas deste blog

SIMBAD E OS SETE MARES 1989 DUBLADO COMPLETO

Sinopse: Sinbad e seus companheiros de viagem voltavam felizes para casa quando se deparam com a cidade transformada em miséria e tristeza. Era tudo obra de um feiticeiro. Então Sinbad terá que derrotar sinistros vilões com sua curiosa tripulação em busca de gemas perdidas de Basra.




Elenco:
Lou Ferrigno ... Sinbad
John Steiner ... Jaffar
Roland Wybenga ... Alì
Ennio Girolami ... Viking
Hal Yamanouchi ... Samurai
Yehuda Efroni ... Ahmed
Alessandra Martines ... Alina
Teagan Clive ... Soukra
Leo Gullotta ... Nadir
Categoria Pessoas e blogs Licença Licença padrão do YouTube



Explicando os Cavaleiros templários e a maçonaria

Doença de Chagas - POR DR. DRAUZIO

Doença causada pelo protozoário parasita Trypanosoma cruzi que é transmitido pelas fezes de um inseto (triatoma) conhecido como barbeiro. O nome do parasita foi dado por seu descobridor, o cientista Carlos Chagas, em homenagem ao também cientista Oswaldo Cruz. Segundo os dados levantados pela Sucen, esse inseto de hábitos noturnos vive nas frestas das casas de pau-a-pique, ninhos de pássaros, tocas de animais, casca de troncos de árvores e embaixo de pedras.
Transmissão
A doença de Chagas não é transmitida ao ser humano diretamente pela picada do inseto, que se infecta com o parasita quando suga o sangue de um animal contaminado (gambás ou pequenos roedores). A transmissão ocorre quando a pessoa coça o local da picada e as fezes eliminadas pelo barbeiro penetram pelo orifício que ali deixou.
A transmissão pode também ocorrer por transfusão de sangue contaminado e durante a gravidez, da mãe para filho. No Brasil, foram registrados casos da infecção transmitida por via oral na…

Voce é muito importante para mim

Pastel de tapioca com recheio de camarão da chef Kátia Barbosa ASSUNTOS: Receitas com camarão Este conteúdo faz parte de uma seleção feita pelo GNT.

anote a receita do aconchego carioca Foto: Divulgação / Berg Silva Chama-se almofadinha a criação da chef Kátia Barbosa, do Aconchego Carioca, um pastel de tapioca com recheio de camarão.O petisco para servir numa recepção em casa ou para os amigos, pode ter outros recheios, mas sempre secos. O rendimento é de 70 pastéis pequenos. Tome nota:

Ingredientes:
500g de tapioca
500g de queijo coalho de boa qualidade ralado
1l de leite quente
10g de sal refinado
Pimenta-do-reino (a gosto)
Cebola (a gosto) para refogar os camarões
Tomate (a gosto) para refogar os camarões
Alho (a gosto) para refogar os camarões
1kg de camarão

Modo de preparo:
Para fazer a massa do pastel de tapioca, misture num recipiente a tapioca, o queijo coalho, o sal e a pimenta. Adicione o leite quente e misture sem parar até dar ponto de liga na massa. Deixe a massa descansar por duas 2 horas. Para abrir a massa, use luva de borracha ou rolo de plástico, pois ela gruda na mão e não de madeira.

Empanada de carne da chef Rachel Khoo

Pa…