Pular para o conteúdo principal

Bebês abandonados por viciadas em crack preocupa autoridades







A quantidade de bebês recém-nascidos abandonados por mães dependentes de crack preocupa autoridades e especialistas. Somente a 1ª. Vara da Infância, da Juventude e do Idoso do Rio de Janeiro recebe, mensalmente, pelo menos 80 pedidos de audiência para medida protetiva de abrigamento a recém-nascidos. “É uma coisa terrível e seríssima” lamentou a titular da vara, Ivone Caetano. “Tenho agendados, no mínimo, três a quatro bebês saídos dos hospitais, por dia, na minha vara. Fora os casos não agendados. E o crack contribuiu muito para isso”, disse a juíza.
A chefe-geral do Serviço de Assistência Social do Hospital Universitário Pedro Ernesto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), na zona norte, Dayse Carvalho, contou que a maternidade envia semanalmente para a Vara da Infância e da Adolescência da região até três recém-nascidos. Algumas mães passam mais de uma vez pelo hospital.
- Desde 2002 temos visto um crescente dessas mães usuárias de drogas. Naquela época levávamos um bebê para a vara a cada três meses ou mais. De 2010 para cá, esse número tem variado entre dois e três bebês semanalmente”, contou a médica. Dayse Carvalho ressaltou que as mães não abandonam efetivamente os bebês mas se mostram, na maioria das vezes, incapazes de cuidar da criança. “Muitas choram quando perdem a guarda – lamentou ela.
Uma pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgada na quinta-feira, aponta que cerca de 10% das mulheres usuárias de crack relataram aos entrevistadores estar grávidas e mais da metade já haviam engravidado ao menos uma vez depois que começaram a usar a droga.
Dayse disse que a nova realidade da maternidade e da pediatria do hospital demandou a busca de parcerias. Uma das medidas tomadas foi o trabalho Amar, de acompanhamento pediátrico dessas crianças, além de uma parceria que está sendo costurada com o Núcleo de Estudos e Pesquisas em Atenção ao Uso de Drogas (Nepad), também da Uerj.
A diretora do Nepad, Ivone Ponczek, explicou que a ideia do projeto é tentar atrair essas mães para que façam pré-natal e trabalhar o vínculo da mãe com o bebê para que as mulheres não desistam da criança. “São, em geral, meninas completamente despreparadas para a maternidade, que não tiveram mães, então a questão do vínculo e da maternidade é muito complicado para elas”, explicou a psicanalista.
- Algumas não têm o menor conhecimento do corpo, não sabem o que é pulmão, não sabem nem a relação de causa e efeito entre o relacionamento sexual e a gravidez – explicou ela, que defendeu ações socioeducativas e doação de preservativos para esse público como medida preventiva de doenças sexualmente transmissíveis e gravidez.
O Nepad desenvolve há 28 anos pesquisas e trabalhos terapêuticos voltados para dependentes de todos os tipos de droga, com exceção do álcool. Entretanto, segundo Ponczec, o crack é a principal droga entre os dependentes atendidos no local.
- Estamos muito impactados, pois nunca pensamos que teríamos que lidar com bebês, crianças, essa relação da mãe com o bebê. Estamos, inclusive, criando um setor com espaço para a amamentação e para brinquedos. Recebemos grávidas, mães com bebês, mesmo crianças, com 6, 7 anos, já usuárias de crack - lamentou a especialista.
A especialista alertou que a situação é grave e pede atenção e esforços por parte das autoridades e da sociedade. “Se não houver intervenção, há o risco de uma continuação do quadro, de mais bebês na rua, abandonados, reproduzindo a mesma história”, avaliou Ponzcek.
O psiquiatra do Nepad, Paulo Telles, explicou que o crack estimula o sexo para a obtenção de drogas, além de ser consumido em grande parte por adolescentes e pessoas muito jovens. “Quanto mais drogas se usa, menos prevenção se faz durante o sexo. São pessoas que não se cuidam e, provavelmente, não vão cuidar de filhos”, lamentou ele. O médico informou que no Nepad, que o percentual de mulheres entre os usuários de crack é maior do que entre os usuários de outras drogas.








Postagens mais visitadas deste blog

SIMBAD E OS SETE MARES 1989 DUBLADO COMPLETO

Sinopse: Sinbad e seus companheiros de viagem voltavam felizes para casa quando se deparam com a cidade transformada em miséria e tristeza. Era tudo obra de um feiticeiro. Então Sinbad terá que derrotar sinistros vilões com sua curiosa tripulação em busca de gemas perdidas de Basra.




Elenco:
Lou Ferrigno ... Sinbad
John Steiner ... Jaffar
Roland Wybenga ... Alì
Ennio Girolami ... Viking
Hal Yamanouchi ... Samurai
Yehuda Efroni ... Ahmed
Alessandra Martines ... Alina
Teagan Clive ... Soukra
Leo Gullotta ... Nadir
Categoria Pessoas e blogs Licença Licença padrão do YouTube



Explicando os Cavaleiros templários e a maçonaria

Doença de Chagas - POR DR. DRAUZIO

Doença causada pelo protozoário parasita Trypanosoma cruzi que é transmitido pelas fezes de um inseto (triatoma) conhecido como barbeiro. O nome do parasita foi dado por seu descobridor, o cientista Carlos Chagas, em homenagem ao também cientista Oswaldo Cruz. Segundo os dados levantados pela Sucen, esse inseto de hábitos noturnos vive nas frestas das casas de pau-a-pique, ninhos de pássaros, tocas de animais, casca de troncos de árvores e embaixo de pedras.
Transmissão
A doença de Chagas não é transmitida ao ser humano diretamente pela picada do inseto, que se infecta com o parasita quando suga o sangue de um animal contaminado (gambás ou pequenos roedores). A transmissão ocorre quando a pessoa coça o local da picada e as fezes eliminadas pelo barbeiro penetram pelo orifício que ali deixou.
A transmissão pode também ocorrer por transfusão de sangue contaminado e durante a gravidez, da mãe para filho. No Brasil, foram registrados casos da infecção transmitida por via oral na…

Pastel de tapioca com recheio de camarão da chef Kátia Barbosa ASSUNTOS: Receitas com camarão Este conteúdo faz parte de uma seleção feita pelo GNT.

anote a receita do aconchego carioca Foto: Divulgação / Berg Silva Chama-se almofadinha a criação da chef Kátia Barbosa, do Aconchego Carioca, um pastel de tapioca com recheio de camarão.O petisco para servir numa recepção em casa ou para os amigos, pode ter outros recheios, mas sempre secos. O rendimento é de 70 pastéis pequenos. Tome nota:

Ingredientes:
500g de tapioca
500g de queijo coalho de boa qualidade ralado
1l de leite quente
10g de sal refinado
Pimenta-do-reino (a gosto)
Cebola (a gosto) para refogar os camarões
Tomate (a gosto) para refogar os camarões
Alho (a gosto) para refogar os camarões
1kg de camarão

Modo de preparo:
Para fazer a massa do pastel de tapioca, misture num recipiente a tapioca, o queijo coalho, o sal e a pimenta. Adicione o leite quente e misture sem parar até dar ponto de liga na massa. Deixe a massa descansar por duas 2 horas. Para abrir a massa, use luva de borracha ou rolo de plástico, pois ela gruda na mão e não de madeira.

Empanada de carne da chef Rachel Khoo

Pa…

Voce é muito importante para mim