Pular para o conteúdo principal

Combate ao Câncer - Informação é melhor remédio para a prevenção




Posted: 11 Jul 2016 08:15 AM PDT

Escrito pelo Dr. Stephen Stefani – médico oncologista do Hospital do Câncer Mãe de Deus
Stephen Stefani recorda um fato tocante de um paciente com câncer
construindo rampas
Seu irmão estava morrendo de câncer no hospital, restrito ao leito e à cadeira de rodas. Naquele momento, seus pais se depararam com um problema prático. Qualquer deslocamento que seu filho doente fosse fazer em casa demandaria uma rampa de acesso, coisa que não tinha na velha residência da família. Uma dura avaliação da realidade, entretanto, mostrava que pouco sentido tinha em fazer essa construção no momento em que os médicos assinalavam que não havia mais tratamentos disponíveis e a alta hospitalar era muito improvável. Sem muito pensar, fizeram o que não se esperava.
Em um sábado pela manhã, o velho pai sofrido, seu tio e ele, então com 14 anos, em um silêncio triste iniciaram a construção da rampa. Uma rampa que fugia à lógica. Aos poucos o silêncio deu espaço a alguns poucos gemidos de esforços, de carregar sacos de cimento e terra, e ao barulho da betoneira.
Então, ocorreu algo excepcional. Os vizinhos, com o barulho da betoneira, começaram a sair de suas casas, chegavam junto à obra, cumprimentavam com um aceno de cabeça e, apenas após poucos segundos de avaliação do cenário, passavam a carregar sacos, trabalhar com as pás e ajudar na construção da rampa. Homens de 40, 50, 60 e seus 70 anos trabalharam juntos até concluir a rampa.
Naquele fim de tarde contaram ao rapaz doente, no hospital, que todos tinham contribuído na construção da rampa de acesso para quando ele retornasse a sua casa. De alguma forma, ele passou a melhorar depois daquele dia. Ele viveu mais um ano. E viveu em uma casa que tinha uma rampa que lhe permitiu deslocamento com mais dignidade e autonomia. Essa história real aconteceu com Javier Gómez Santander, escritor e colunista no jornal espanhol El Mondo.
Em suas variantes, ocorre com muitas pessoas, que acham que estão sozinhas. Mostra que vale a pena seguir construindo rampas, mesmo quando tudo aponta na outra direção. Ilustra que, mesmo nesses tempos em que basta uma opinião divergente para se fomentar hostilidade e ódio, vale a pena acreditar no ser humano.
Créditos: Revista Amanhã
O post Vale a pena seguir construindo rampas apareceu primeiro em Combate ao Câncer - Informação é o melhor remédio para a prevenção.

Postagens mais visitadas deste blog

SIMBAD E OS SETE MARES 1989 DUBLADO COMPLETO

Sinopse: Sinbad e seus companheiros de viagem voltavam felizes para casa quando se deparam com a cidade transformada em miséria e tristeza. Era tudo obra de um feiticeiro. Então Sinbad terá que derrotar sinistros vilões com sua curiosa tripulação em busca de gemas perdidas de Basra.




Elenco:
Lou Ferrigno ... Sinbad
John Steiner ... Jaffar
Roland Wybenga ... Alì
Ennio Girolami ... Viking
Hal Yamanouchi ... Samurai
Yehuda Efroni ... Ahmed
Alessandra Martines ... Alina
Teagan Clive ... Soukra
Leo Gullotta ... Nadir
Categoria Pessoas e blogs Licença Licença padrão do YouTube



Explicando os Cavaleiros templários e a maçonaria

Doença de Chagas - POR DR. DRAUZIO

Doença causada pelo protozoário parasita Trypanosoma cruzi que é transmitido pelas fezes de um inseto (triatoma) conhecido como barbeiro. O nome do parasita foi dado por seu descobridor, o cientista Carlos Chagas, em homenagem ao também cientista Oswaldo Cruz. Segundo os dados levantados pela Sucen, esse inseto de hábitos noturnos vive nas frestas das casas de pau-a-pique, ninhos de pássaros, tocas de animais, casca de troncos de árvores e embaixo de pedras.
Transmissão
A doença de Chagas não é transmitida ao ser humano diretamente pela picada do inseto, que se infecta com o parasita quando suga o sangue de um animal contaminado (gambás ou pequenos roedores). A transmissão ocorre quando a pessoa coça o local da picada e as fezes eliminadas pelo barbeiro penetram pelo orifício que ali deixou.
A transmissão pode também ocorrer por transfusão de sangue contaminado e durante a gravidez, da mãe para filho. No Brasil, foram registrados casos da infecção transmitida por via oral na…

Voce é muito importante para mim

Pastel de tapioca com recheio de camarão da chef Kátia Barbosa ASSUNTOS: Receitas com camarão Este conteúdo faz parte de uma seleção feita pelo GNT.

anote a receita do aconchego carioca Foto: Divulgação / Berg Silva Chama-se almofadinha a criação da chef Kátia Barbosa, do Aconchego Carioca, um pastel de tapioca com recheio de camarão.O petisco para servir numa recepção em casa ou para os amigos, pode ter outros recheios, mas sempre secos. O rendimento é de 70 pastéis pequenos. Tome nota:

Ingredientes:
500g de tapioca
500g de queijo coalho de boa qualidade ralado
1l de leite quente
10g de sal refinado
Pimenta-do-reino (a gosto)
Cebola (a gosto) para refogar os camarões
Tomate (a gosto) para refogar os camarões
Alho (a gosto) para refogar os camarões
1kg de camarão

Modo de preparo:
Para fazer a massa do pastel de tapioca, misture num recipiente a tapioca, o queijo coalho, o sal e a pimenta. Adicione o leite quente e misture sem parar até dar ponto de liga na massa. Deixe a massa descansar por duas 2 horas. Para abrir a massa, use luva de borracha ou rolo de plástico, pois ela gruda na mão e não de madeira.

Empanada de carne da chef Rachel Khoo

Pa…